REVISTA LIVROS & LEITURAS

A REVISTA LIVROS & LEITURAS está nos 4 cantos do mundo em www.revistalivroseleituras.com...Atualizações a qualquer momento no Facebook, Instagram e Twitter...

segunda-feira, 4 de março de 2019

João Dordio: "Qualquer acontecimento pode ser um fator que despolete a inspiração"



João Rodrigo Piteira Dordio nasceu a 03 de Abril de 1970, em Évora, e reside no Seixal. Divorciado, pai de dois filhos, é Agente Principal da PSP e presta serviço há cerca de 20 anos no Corpo de Intervenção, pertencente à Unidade Especial de Polícia.
Autodidata, com formação académica em Sociologia e História, complementa a sua área profissional com pesquisa e investigação sobre aquilo que gosta de definir como “o outro lado da História”, vulgarmente rotulada de “teorias da conspiração”. Desloca-se com alguma frequência a escolas, bibliotecas e associações para a realização de palestras sobre este assunto.
Apesar de escrever há muitos anos, “O Suspiro de Odin” (Chiado Editora, 2016) foi o seu primeiro livro.
Participou em diversas Antologias e Coletâneas, assim como em programas radiofónicos de poesia. Tem atualmente uma rubrica mensal (“O Cocas Veste Prada”) no programa A Essência das Palavras, de Alfredo Batista na Alternativa Radio.
Prefaciou e posfaciou diversas obras e já viu a sua poesia ser premiada algumas vezes.
Participou, em parceria com a artista plástica Carla Palhinha, na exposição “Um Poema é Uma Pintura Com Voz, Um Pintura é Um Poema Sem Voz”, um projeto inovador em que se pretendia conciliar a pintura com a poesia e a escrita criativa (os quadros da artista eram “legendados” com passagens do seu primeiro livro, “O Suspiro de Odin”).
Editou em abril de 2018 o seu segundo livro, “Não Faças Barulho. Fui Ali Gritar Que te Amava” (Emporium Editora).
É coordenador literário da Coleção Poiesis e da Coleção Dordiana, ambas com a chancela da In-Finita.

Como e quando começou a interessar-se por literatura?
Desde muito pequeno que adoro ler. O meu pai costumava trazer-me livros de banda desenhada de uma banca que havia em Cacilhas. E se primeiro foram esses livros de banda desenhada, depois foi tudo o resto. Devorava livros atrás de livros! Especialmente de suspense e terror. Mas também os Clássicos. Depois, chegou a Poesia…
 O que despoletou o seu interesse pela literatura? 
Sempre fui uma pessoa muito solitária. E a literatura foi quase sempre o meu refúgio. A minha imaginação levava-me a entrar numa forma muito mais absorvente fosse qual fosse o argumento. Os meus voos começaram por aí…
 Como nasceu a paixão pela escrita?
De leitor quase obsessivo passei facilmente a escritor igualmente obsessivo. Inicialmente a minha forma de escrita pouco ou nada tinha a ver com aquilo que escrevo hoje. Muito depressiva e melancólica, relacionada essencialmente com a minha forma de ser e de estar da época onde a falta de autoestima era imensa. A maioria das pessoas não acredita que eu, um dia já fui assim, mas é a verdade.
O que mais o atrai quando escreve? 
Atrai-me a possibilidade de transportar e transformar a Paixão em letras corridas e aconchegadas. O sentimento intenso e, por vezes, até sufocante transformado em texto corrido é aquilo que mais gosto de trabalhar.
 Por que motivo resolveu escrever livros?
Provavelmente porque queria deixar em papel aquilo que a mente me “obrigava” a escrever e isso teria que ficar, de alguma forma, fisicamente eternizado. A partilha virtual ajuda, mas não é suficiente.
 Qual foi a obra que mais gostou de escrever e porquê?
Tenho três livros a solo e cerca de vinte obras coletivas. O último talvez tenha sido o que mais tenha gostado de escrever porque é onde me enquadro melhor, ou seja, a Prosa Poética. O primeiro (e o primeiro… é sempre o primeiro!) também é, mas tem uma história muito própria por trás que talvez não tenha conseguido explorar completamente. O segundo (de poesia, mas de “verso livre” e com algumas passagens de prosa) acaba por ser uma continuação do primeiro, mas com versos isolados. O último, definitivamente, foi aquele que mais prazer me deu.
 Em que é que se inspira para escrever um livro?
Inspiro-me na Paixão. Vivida, sonhada ou idealizada. Mas aquilo que escrevo tem que estar sempre relacionado com ela. É o meu tema de eleição.
 Em que momentos do dia escreve habitualmente?
Não tenho particularmente nenhum momento em que escreva ou sinta necessidade de parar para o fazer. Qualquer acontecimento, até um comentário ou uma fotografia, pode ser um fator que despolete a inspiração. Porém, raramente me deito e adormeço sem que escreva alguma coisa antes. Mas não é nada forçado e nem considero que isso possa ser uma rotina.
 O que desencadeia a escrita em si?
Eu chamo-lhe “voo”. Um voo interior. Como escrevi uma vez, o Poeta é aquele que se veste de letras a andar por fora a voar por dentro. E é essa a sensação que tenho. A de algo que me leva a viajar de uma forma completamente diferente.
Quais são as suas referências literárias? 
Fui muito influenciado por António Nobre e por Fernando Pessoa nos meus primeiros encontros com a literatura. No entanto, acabam por ser outras figuras que gosto de realçar na visão e perceção que passei a ter do mundo. David Icke, Wayne Dyer, Alan Watts, até o próprio Osho… Quando mudamos a forma de ver o mundo, o mundo também muda. Mas isso são outras conversas de alguém que também adora ler, investigar e fazer o cruzamento da informação e partilhar em conversas, palestras e apresentações públicas “do outro lado da História”, aquilo que muita gente denomina de “teorias da conspiração”.
Como vê o mundo atual da literatura em Portugal? 
Procuro ver sempre o lado bom. As coisas boas, os projetos que possam trazer algo de inovador e que possam melhorar de alguma forma o panorama da literatura em Portugal. No entanto… Quem tem dinheiro consegue editar sempre, com maior ou menor qualidade, não interessa. Há um leque considerável de editoras que não estabelecem quaisquer padrões mínimos de qualidade e até revisão. Como dizia Saramago, “somos todos escritores, mas uns escrevem, outros não”. A forma frontal e genuína como denuncio certas situações confunde-se com arrogância, mas sem o ser. E isso já me deixou várias vezes numa situação desconfortável. Mesmo assim, não me irei calar nunca! Das “antologias e coletâneas” que são a “galinha dos ovos de ouro” para muitos, dos textos supostamente “selecionados”, das editoras que não pagam direitos de autor ou pagam passados anos, da percentagem vergonhosa para os autores… Por vezes, por mais que nos foquemos nas coisas boas, é complicado. Porque os próprios autores não se unem e preferem entrar em jogos de ciúmes, invejas, ofensas, mentiras e manipulações, e raramente caminham de mãos dadas. Há demasiados “pavões” e demasiados elitismos, grupos e grupinhos, que pouco mais fazem do que alimentar intrigas e até difamações. E vou ficar por aqui…
Uma palavra de apreço para a Emporium Editora e para a In-Finita. A primeira é uma jovem editora que apoia bastante os seus autores, tendo inclusivamente uma parceria com a Rota do Livro que permite dar a conhecer as obras dos autores de norte a sul do país nos mais variados eventos literários. A segunda não é uma editora, mas sim uma “prestadora de serviços” que faz a denominada “assessoria literária”, ajudando os autores na edição do livro. É um conceito que veio abanar toda a realidade editorial existente uma vez que não há qualquer investimento inicial para o autor e este recebe imediatamente o valor dos direitos de autor no dia do lançamento (independentemente do número de exemplares vendidos dos 50 disponibilizados para o efeito – o restante valor da venda dos mesmos vai para a In-Finita).
Para quando um novo projeto editorial?
Estou, neste momento, a coordenar duas coleções sob a chancela da In-Finita. Uma de Poesia (Coleção POIESIS) que já vai a caminho do sétimo volume; e outra de Prosa Poética (cujo “numero zero” foi lançado no final de Janeiro com o meu livro “A Paixão – Escritos e Demências”). Para 2020 estou a contar lançar e coordenar outra coleção e também mais um livro a solo, livro esse que já está a ser escrito desde 2016.
Agora que já conhece a revista Livros & Leituras, que opinião tem deste projeto editorial sem fins lucrativos?
É sempre uma excelente ferramenta de divulgação e promoção dos autores que têm sempre muitas dificuldades em se fazerem ouvir, dar a conhecer e promover os seus trabalhos.

Sem comentários:

Enviar um comentário