REVISTA LIVROS & LEITURAS

A REVISTA LIVROS & LEITURAS está nos 4 cantos do mundo em www.revistalivroseleituras.com...Atualizações a qualquer momento no Facebook, Instagram e Twitter...

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Mário Silva Carvalho: " Sou fundamentalmente um madrugador na escrita"





1948 (Pampilhosa – Mealhada). Licenciado em História pela Universidade de Coimbra. Iniciou as lides da escrita apenas depois de se aposentar da carreira de bancário. Em 2012 ganhou o Prémio Literário João Gaspar Simões, atribuído pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, com o romance Diário de Um Carbonário, publicado em 2014, aqui em nova edição com uma diferente e distinta roupagem. No mesmo ano (2014) ganhou a 15ª. edição do Prémio Literário Dr. João Isabel com o conto O regresso do Artur. Foi-lhe igualmente atribuído o 1.º Prémio da XI edição do Concurso Literário Descobrir Vizela com o conto O Brasileiro de Vizella. Em 2016 publicou o romance A Tomada de Madrid. No ano de 2017 recebeu uma menção honrosa do Prémio Ferreira de Castro de Ficção Narrativa, com o romance A Amazona Portuguesa, publicado em 2018. Com o romance O Regresso a Quionga ganhou o Prémio Ferreira de Castro de Ficção Narrativa 2018.


Como e quando começou a interessar-se por literatura?

Desde que me lembro sempre fui um leitor assíduo. Ainda na juventude “devorei” os autores portugueses dos fins do século XIX, princípio do século XX: Herculano, Almeida Garrett, Júlio Dinis, Eça, Camilo, Silva Gaio, com um comprido ETC. Também os escritores do século passado me provocaram prazer de leituras e grandes voos na minha imaginação. Aquilino, Ferreira de Castro, Carlos Oliveira, Manuel da Fonseca, muitos outros haveríamos que acrescentar.Igualmente escritores brasileiros, russos, franceses e de língua inglesa entraram num vasto rol de autores que me despertaram, alimentaram o prazer de ler.

O que despoletou o seu interesse pela literatura?

Os meus pais que gostavam de ler, o meu avô paterno que possuía uma pequena, mas variada coleção de livros de autores portugueses. As bibliotecas itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian, que todas as semanas levavam à minha porta, na aldeia onde nasci: Pampilhosa do Botão / Mealhada, a oportunidade de ir descobrindo novos filões de leitura.

Como nasceu a paixão pela escrita?

Desde os tempos liceais, com participações em boletins de estudantes e mais tarde na criação de jornais de cariz regional “Caminho” e “Jornal do Centro”.

O que mais o atrai quando escreve?

Fácil questionar, complexo de responder. O fio da história, a linguagem ajustada à época, a teia do enredo, a descoberta do pensar das figuras que participam na ficção.

Por que motivo resolveu escrever livros?

Depois de uma vida profissional longa e intensa, entendi desbravar tarefas que no meu imaginário de desejos sempre estiveram presentes; retornar ao estudo da história (sou licenciado em História pela Universidade de Coimbra) e escrever um livro. A reforma ofereceu o tempo para o cumprimento desses planos.

Qual foi a obra que mais gostou de escrever e porquê?

“Diário de Um Carbonário” o meu primeiro projeto, a entrada no mundo secreto da Carbonária. Em 2012, ganhei com o livro o Prémio Literário João Gaspar Simões, o que me entusiasmou e impulsionou para outros voos. A complexa busca das fontes de uma organização secreta, as leituras de todos os jornais da época transportaram-me para a Lisboa dos primeiros anos do século XX; a miséria, a fome e os sonhos numa dança complexa com epílogos, muitas vezes, violentos. Esta obra agora e depois de uma releitura atenta, de roupagens lavadas, com a inclusão de novos capítulos, aqui está desde junho deste ano, em nova edição, nos escaparates das livrarias.

Em que é que se inspira para escrever um livro?

Entendi escrever romances históricos. Num cenário de imaginação, procuro seguir o curso da história com seriedade e rigor, assim aconteceu no “Diário de Um Carbonário”, na “Tomada de Madrid”, na “Amazona Portuguesa” livros publicados pela Editora Saída de Emergência. Igualmente segui os mesmos princípios no livro “O Regresso a Quionga”, Prémio Ficção Ferreira de Castro, 2018, com apresentação agendada, no Museu Ferreira de Castro, Sintra, para o próximo dia 4 de julho.

Em que momentos do dia escreve habitualmente?

Sou fundamentalmente um madrugador na escrita.

O que desencadeia a escrita em si?

Depois destes anos de trabalho permanente é como oxigénio, determinante.

Quais são as suas referências literárias?

Continuo muito ligado aos clássicos portugueses de toda a minha vida de leituras. Atento aos novos escritores, mas de repente estou preso a folhear “O Crime do Padre Amaro” ou a outro marco nossa literatura

Como vê o mundo atual da literatura em Portugal?

Num Portugal sem hábitos, gostos de leitura, o cenário nunca poderá ter tons otimistas. Escrever e publicar nunca foi tão simples, sobretudo com as edições de autor, mas rasgar as amarras, reunir vontades de editoras e livreiros, conseguir chegar a um grande público são tarefas, barreiras, eriçadas de escolhos, dificuldades, “nãos” desmotivadores.

Para quando um novo projeto editorial?

Como atrás referi, no próximo dia 4 de julho, será lançado o meu mais recente projeto; “O Regresso a Quionga”, uma edição da Câmara Municipal de Sintra.

Agora que já conhece a revista Livros & Leituras, que opinião tem deste projeto editorial sem fins lucrativos?

Mais do que a minha opinião, lavro a promessa de ficar atento a este meritório projeto.

Sem comentários:

Enviar um comentário