REVISTA LIVROS & LEITURAS

REVISTA LIVROS & LEITURAS, desde 2009 à distância de um clique...www.revistalivroseleituras.com...Atualizações diárias no Facebook, Instagram e Twitter...Quem não lê, não quer saber!...

sexta-feira, 30 de abril de 2021

Receitas literárias: Berinjela recheada à Gabriel García Márquez

Ingredientes:

2 berinjelas

Carne de vaca/porco picada

Bacon

Chouriço

Azeitonas sem caroço

Queijo ralado

Polpa de tomate

1 cebola

5 dentes de alho

Sal

Pimenta preta

Azeite

Confeção:

Deve começar por abrir, sobre o comprimento, as berinjelas em duas partes e colocá-las a cozer em água e sal. Retire a polpa com a ajuda de uma faca e reserve. Entretanto, refogue a cebola e os alhos muito bem picados. Junte o louro, o bacon e o chouriço cortados em cubos. De seguia, adicione a carne picada, a polpa de tomate, a polpa da berinjela e as azeitonas, também elas bem picadas. Tempere com sal e pimenta a gosto e envolva todos os ingredientes. Deixe ferver durante 5 minutos e recheie as metades das berinjelas com o preparado. Coloque-as num tabuleiro, polvilhe com queijo ralado e leve ao forno durante 10 minutos. O objetivo é o queijo derreter.

História:

Gabriel José García Márquez convidou-me, hoje, para jantar e serviu-me umas espetaculares berinjelas recheadas. Enquanto cozinhava, o Nobel da Literatura foi recordando algumas passagens de “Amor em Tempo de Cólera”, onde a leguminosa se torna uma verdadeira dor de cabeça para uma das protagonistas deste romance: a Fermina.

O livro é uma história de amor entre Fermina Daza e Florentino Ariza. Durante alguns anos, a sua relação cingia-se à troca de cartas de amor, até que o telegrafista a pede em casamento. Inicialmente, hesitou, mas acabou por aceitar com uma condição: que ele nunca a obrigasse a comer berinjelas. A jovem vivia ainda um trauma de infância, depois do seu pai a ter obrigado a comer um enorme prato de berinjelas, que segundo ela, ainda por cima, têm a cor do veneno.

O pai de Fermina era terrível e não vacilava. Um dia, descobre as cartas de amor e leva a filha para longe do seu amado. Durante algum tempo, ainda trocam algumas cartas, até que o amor arrefeceu e Fermina acaba por casar com um médico. A felicidade reinava entre os dois, até ao dia em que a jovem descobre que a sua sogra era louca por berinjelas. Cozinhava o legume todos os dias em homenagem ao seu falecido marido. Já imaginaram o que se passava?  Fermina era convidada a comer as berinjelas que ela tanto detestava.

Garcia Márquez, tu és mau!... Que trauma, cara Fermina. Olha, as que confecionei na Toca da Lebre estavam espetaculares. Que o diga quem as provou e gostou. Não queres provar as berinjelas, Fermina?

Nota: confecionar este prato e publicá-lo aqui nas Receitas Literárias é também uma homenagem que faço a este grande escritor mexicano, pai de Cem Anos de Solidão. Garcia Márquez foi um dos escritores mais influentes do século XX. Está traduzido em dezenas de línguas e vendeu milhões de livros em todo o mundo.

 

Sem comentários:

Enviar um comentário