REVISTA LIVROS & LEITURAS

REVISTA LIVROS & LEITURAS, desde 2009 à distância de um clique...www.revistalivroseleituras.com...Atualizações diárias no Facebook, Instagram e Twitter...Quem não lê, não quer saber!...

quinta-feira, 20 de maio de 2021

José Rodrigues dos Santos: Sou jornalista quando exerço jornalismo e escritor quando escrevo romances

O escritor português José Rodrigues dos Santos nasceu em 1964, na Beira, uma ex-colónia portuguesa de Moçambique. Apesar de ser muito conhecido como jornalista, o autor revelou-se nos últimos anos como ensaísta e, sobretudo, como romancista. Através da editora Gradiva, tem vendido milhares de livros. Cada uma das suas obras é um sucesso.

Como é que nasceu o gosto pela escrita?

Não sei. Apareceu naturalmente.

O jornalismo abriu portas à escrita de romances e ensaios?

Não foi só o jornalismo. Foi talvez sobretudo a minha actividade académica.

Com todo este sucesso, que se tem traduzido em milhares de livros vendidos, hoje sente-se mais jornalista ou mais escritor?

Sou jornalista quando exerço jornalismo e escritor quando escrevo romances.
 
Porquê?

Porque nós somos o que fazemos.

O seu site oficial (www.joserodriguesdossantos.com) em língua inglesa é uma
janela aberta à internacionalização do autor e das suas obras?

Sim. O site está em inglês para que seja acessível ao público internacional.

Se pudéssemos visitar a sua biblioteca pessoal, seria fácil perceber quais os escritores que mais o influenciaram ou estamos perante um escritor com um
estilo muito pessoal?

Tenho na minha biblioteca escritores de todos os géneros.

Como explica o aparecimento recente de uma geração de jornalistas / escritores?

Pela renovação da escrita e dos autores, um processo perfeitamente natural. Anormal e preocupante seria não aparecerem autores novos, acho eu.

Perante muitas vezes o mundo em convulsões, José Rodrigues dos Santos consegue não perder o sentido de humor. Isso ajuda a escrever livros?

Pelo menos não prejudica.

 “A Ilha das Trevas”, “A Filha do Capitão”, “O Codex 632”, “A Fórmula de Deus”, “O Sétimo Selo”, “A  Vida Num Sopro” ou a “Fúria Divina” - para falar apenas destes - qual foi a obra que lhe deu mais prazer escrever?

Todas.

Nos últimos anos tem escrito uma obra por ano. O que podem esperar os seus leitore?

JRS - Mais um romance, se tudo correr bem.


Nota: Entrevista dada por JRS à Livros & Leituras em 2009.

Sem comentários:

Enviar um comentário