REVISTA LIVROS & LEITURAS

REVISTA LIVROS & LEITURAS, desde 2009 à distância de um clique...www.revistalivroseleituras.com...Atualizações diárias no Facebook, Instagram e Twitter...Quem não lê, não quer saber!...

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Kronikando: A livrólica tem mesmo de regressar à escola

Quase toda a gente já ouviu falar no Bocage. José Maria Barbosa do Bocage. Porém, poucos o associam a uma expressão que ouvimos regularmente: “É pior a emenda do que o soneto”. É verdade, a frase é deste grande poeta português.

Vem isto a propósito da jumenta livrólica que volta a dar uma bazucada nas suas pantufas bolorentas. Depois de ter aprendido com o mestre a distinguir o “demais” do "de mais", para falar apenas deste erro, e de fazer questão de incluir os lexemas, desta vez bem escritos, nos seus textos da web, ex que esta “prof” de meia tigela veio a público e quis dar missa ao padre. 

A sua “aula” de hoje foi sobre pontuação. Numa tentativa indireta de corrigir o mestre, lembra a jumenta que nunca se deve separar o sujeito do verbo com uma vírgula. Até tem algum fundamento, mas, como não há regra sem exceção, a limitada livrólica esqueceu-se deste clássico da gramática e vai de arremessar calhaus.

Então é assim. Não sei se conheces a melhor gramática portuguesa? Ou pelo menos o seu nome. É a dos linguistas Celso Cunha e Lindlay Cintra. Foi, é e será a minha bíblia. E a tua, qual é? A páginas tantas, pode ler-se o seguinte: “use a vírgula para separar o lugar, o tempo ou o modo que vier no início da frase…”.

Exemplos:

Algures por cá (lugar), a jumenta tem mesmo de regressar à escola;

Na travessa (lugar), coloca um clarinete e sopra, profusamente (modo);

Amanhã (tempo), dou-te mais umas aulinhas, minha alfarroba.

Meu Deus. Ai da escola, dos alunos ou encarregados de educação que tiverem de levar com este cromo!

A acompanhar a sua burra e absurda retórica tem estado a sua parceira de ócio. A madame, hoje, voltou a dormir. Anda sempre muito cansada. Acho que já nasceu assim. Ou então é do excesso de peso nas canetas… Desta vez, dormiu à sombra de uma alfarrobeira. Alfarrobeira? Por que será?

Gostaram? Não?! Olhem que várias centenas de leitores estão a adorar as vossas loucas aventuras!...

Mário Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário